HISTÓRIA DA MÚSICA

Música Ocidental

Música na Antiguidade

Os Gregos: sua música e instrumentos

A MÚSICA DAS ANTIGAS CIVILIZAÇÕES

Costuma-se dizer que a música no ocidente, assim como as mais diversas manifestações artísticas, tem sua origem na Grécia e Roma antigas. Entretanto, em outras regiões onde cresceram outras civilizações da antiguidade, também se produzia música. Os arqueólogos são os estudiosos que nos auxiliam a tomar conhecimento da cultura desses povos antigos. Com essas informações, ficamos sabendo que tipo de instrumentos eles usavam e podemos imaginar que tipo de música faziam. 

 

 

A HERANÇA GREGA

O sentido da palavra “Música” para os Gregos: “MUSA”.

Musa: na mitologia grega clássica, cada uma das nove deusas irmãs que presidiam as artes e as ciências. Assim, a Música tinha um sentido mais amplo. Referia-se a toda atividade que buscasse a beleza (arte) e a verdade (ciência).

 

 

VESTÍGIOS DA MÚSICA GREGA ANTIGA

 

RECONSTRUINDO A MÚSICA GREGA

Há muitos anos, um Professor americano chamado William Johnson, vem se dedicando a estudar fragmentos (podemos ver um deles) de notações musicais gregas. Algumas notações dizem respeito ao canto, e outras são notações para instrumentos como o aulos e a cítara.

 

OS INSTRUMENTOS MUSICAIS GREGOS

Sabe-se, principalmente através de pinturas e esculturas e de textos que os antigos gregos nos legaram, que eles cantavam e tocavam instrumentos. Nas representações encontradas em cerâmica, há uma grande quantidade de remissões a dois instrumentos que parecem ter sido muito significativos na cultura grega: a lira (e a cítara) e o aulos. Nos últimos anos, os pesquisadores têm conseguido avançar no sentido de reconstruir esse legado musical. Os instrumentos musicais daquele tempo podiam ser tocados a solo ou acompanhando textos. 

 

O Aulos (relacionado ao culto ao deus Dionísio)

O aulos, um instrumento de palheta simples ou dupla (não era uma flauta), muitas vezes com dois tubos, tinha um timbre estridente, penetrante. Associava-se ao canto de um certo tipo de poema (o ditirambo) no culto de Dionísio, culto que se crê estar na origem do teatro grego. Consequentemente, nas grandes tragédias da época clássica - obras de Ésquilo, Sófocles, Eurípedes - os coros e outras partes musicais eram acompanhadas pelo som do aulos ou alternavam com ele (Grout & Palisca, edição Gradiva, 1994:17).

 

A Lira (e a Cítara)

A Lira e sua variante de maiores dimensões, a cítara, eram instrumentos de cinco e sete cordas (número que mais tarde chegou a elevar-se até onze). Ambas eram tocadas, quer a solo, quer acompanhando o canto ou a recitação de poemas épicos (GROUT & PALISCA, 1994: 17). A lira estava intimamente relacionada ao culto de Apolo. Um instrumento muito difundido, a lira grega foi bastante representada na cerâmica, na escultura e na pintura grega. 

 

A cítara era uma grande lira, instrumento de cordas que o instrumentista segurava na mão esquerda e tangia com a mão direita. A técnica para tocá-la possivelmente resumia-se na coordenação entre mão esquerda e direita. A mão direita tangia as cordas e a esquerda, além de segurar a base do instrumento, “abafava” o som das outras cordas que não estavam sendo tangidas, puxando-as. Essa técnica talvez estivesse associada ao cuidado com a ressonância dos harmônicos, fenômeno acústico que os gregos antigos já conheciam. As cítaras tinham geralmente 7 cordas, mas podiam ter até 12.

Além da lira e da cítara, a harpa também figurava entre os principais instrumentos de corda gregos.

 

 

A DOUTRINA DO ETOS 

Os gregos da antiguidade acreditavam que a música tinha o poder de afetar o ser humano. Tais qualidades e efeitos morais podiam ser trabalhadas através de determinados gêneros ou determinadas escalas. Os mais importantes filósofos gregos, Aristóteles e Platão, por exemplo, emitiram suas opiniões a respeito desse assunto. Para Aristóteles a música representava os estados da alma humana - brandura, ira, coragem, temperança. Segundo o filósofo, ao ouvir uma música que representasse determinada paixão, os seres humanos ficariam afetados por ela.

 

Platão tinha uma opinião a respeito de como deveria ser uma boa educação. Para ele deveria haver uma combinação perfeita entre o ensino musical e a prática de exercícios físicos, e somente determinados tipos de música seriam aconselháveis no ensino dos cidadãos. Numa posição mais rígida do que Aristóteles, Platão afirmava que “os instrumentos de muitas cordas e de afinação bizarra” e os “fabricantes e tocadores de aulos”, deveriam ser banidos do Estado. Platão e Aristóteles expressaram idéias da elite intelectual grega. Platão foi mais rígido, admitindo a música apenas como auxiliar na educação. Já Aristóteles mostrou-se menos rígido, admitindo que a música, além de servir na educação dos cidadãos, também poderia ser fonte de divertimento e prazer intelectual, desde que seus praticantes respeitassem determinadas regras.

 

 

O SISTEMA MUSICAL GREGO

A teoria musical grega era muito complexa e compreendia sete tópicos básicos: notas, intervalos, gêneros, sistemas de escalas, tons, modulação e composição melódica. Aristóxeno, um filósofo grego, escreveu “Elementos de Harmonia” há cerca de 300 anos AC. Através desse e de outros compêndios da época, podemos saber o que pensavam os teóricos (espécie de professores) da música daquela tempo. É importante observar que esse sistema musical foi teorizado por pensadores e que a música grega antiga não necessariamente se limitava a esse sistema. Pensadores como Aristóteles por exemplo revelaram, através de sua obra, o quanto determinadas práticas lhes causavam indignação, por ferirem as regras estabelecidas por aqueles teóricos da música.

 

A Os “Jogos Píticos” e os Virtuoses

Em seu famoso livro, “Poética”, Aristóteles expressou sua discordância e sua crítica aos rumos que a música grega vinha tomando. Seu testemunho nos permite saber que no século IV aC os gregos organizavam torneios de canto, de cítara e aulos. Nesses jogos, chamados de “Jogos Píticos”, os músicos gregos demonstravam que a prática musical nessa época tornava-se independente das regras ditadas pelos teóricos da música.

site

 

FONTES

Imagens

www.shot.holycross.edu
www.parlatoriomusical.blogspot.com
www.origemdacomedia.blogspot.com
www.mlahanas.de
www.pantagruelista.com

FONTES

Referências

www.hellenicaworld.com

www.oeaw.ac.at

www.realize.be

Please reload

PARA SABER MAIS

HOME

PORTAL CPII EDUCAÇÃO MUSICAL

DEPOIMENTOS

Ex-alunos falam sobre suas experências no Pedro II

LINKS

FICHA TÉCNICA

FALE COM A GENTE

Please reload

ALUNO

HISTÓRIA DA MÚSICA

Música Popular Brasileira, Música Ocidental, Principais Compositores

ELEMENTOS DA MÚSICA

Parâmetros do Som, Paisagem Sonora, Textura e Forma

INSTRUMENTOS MUSICAIS

Cordas, Sopros, Percussão, Orquestra Sinfônica

HINOS

APRENDA A TOCAR E CANTAR

INTERATIVOS

Please reload

PROFESSOR

APOSTILAS

PUBLICAÇÕES

Teses, Dissertações, Monografias, Artigos

AULAS

PROVAS

GRUPOS DE PESQUISA

GTECEM

Please reload

 

Entre em contato!

Estamos disponíveis para trocar.

 

educamusicacp2@gmail.com

INSCREVA-SE
COMPARTILHE O PORTAL

FALE COM A GENTE

APOIO
PATROCÍNIO

RECOMENDAMOS A VISUALIZAÇÃO DESTE SITE 

NO NAVEGADOR Google Chrome